Jurados formam girl band no Centro de Treinamento

Laís, Jack Oliveira, Lara Dominic e Júlia Rezende se surpreenderam com decisão

A formação de uma girl band no Centro de Treinamento do X Factor Brasil foi um dos destaques do programa nesta quarta-feira, dia 28.

Após a eliminação de duas integrantes do grupo paranaense Triô, Laís Bianchessi ainda se recuperava do baque pela saída das amigas quando foi chamada para voltar ao palco, onde Jack Oliveira, de São Paulo, Lara Dominic, do Pará, e Júlia Rezende, de Minas Gerais, a aguardavam também sem saber o que iria acontecer. As três cantoras solo haviam acabado de se apresentar com o grupo TropeirÁfrica, que foi aprovado. “Ainda estou tentando digerir tudo isso. Parece que estou sonhando”, disse a jovem de Londrina pouco depois de receber a notícia.

Laís sempre levou a música como um hobby. Estudante de Arquitetura e Urbanismo, ela largou o estágio na área por causa do programa, porém nunca imaginou que iria tão longe. “Foi muito inesperada a separação do Triô. A gente jamais imaginou que isso pudesse acontecer, nunca cogitamos essa ideia, mas elas me deram muita força para continuar. Minha amigas me impulsionavam, cuidavam de tudo. Não sei como vai ser sem elas”, lamentou com lágrimas nos olhos.

Reunidas no palco, as candidatas receberam a proposta de continuar na competição como um grupo ou serem eliminadas. “Fiquei solo por 20 minutos”, brincou Laís. “Quando me chamaram para voltar ao palco não entendi nada e achei que eu cantaria de novo para os jurados tirarem alguma dúvida. Foi tudo muito inesperado. Não sei nem o nome das meninas, mas acho que temos o mesmo gosto e isso pode facilitar. É mais um novo desafio pela frente”.

Enquanto as demais participantes ainda tentavam digerir a informação, Jack Oliveira se mostrou animada. “Estou muito feliz. Acho que tudo tem um propósito e temos que encarar isso como um desafio. Larguei tudo para estar aqui, então vou dar o meu melhor até o fim”, disse a cabeleireira.

Nos bastidores, Rick Bonadio, que lançou grupos de sucesso como o Rouge e os Mamonas Assassinas, se mostrou empolgado com a nova formação. “É uma grande oportunidade. Elas são boas individualmente, mas juntas formam um grupo incrível. Uma coisa que fortalece é o complemento entre uma e outra. Elas são diferentes entre si e têm mais ou menos o mesmo nível, mas quando juntam elas têm uma magia. Espero que as quatro consigam se entender, que acreditem nessa junção. Se isso acontecer, elas poderão formar um grupo de muito sucesso”, avaliou.

Compartilhar

Ler a notÍcia completa

Deixe seu comentário