Vida e morte da atriz Brittany Murphy vira documentário e reacende polêmica

Documentaristas sugerem que o marido dela na época, o roteirista Simon Monjack, poderia ter contribuído com a sua morte; ele morreu de causas semelhantes em 2010

Há 11 anos Hollywood perdeu uma das suas mais promissoras jovens atrizes, Brittany Murphy, que faleceu com apenas 32 anos.

Em 20 de dezembro de 2009, sua mãe, Sharon Murphy, encontrou o corpo da jovem sem vida na casa que morava com o marido, Simon Monjack. Agora, o documentário “Brittany Murphy: An ID Mystery”, pretende expor mais detalhes sobre os mistérios que ainda cercam a tragédia.

De acordo com o site Crag & Canion, os cineastas insistem que em uma entrevista com o pai de Britanny, Angelo Bertolotti, filmada pouco antes de sua morte no ano passado, as circunstâncias que cercam as horas finais da atriz são questionadas.

“Enquanto sua autópsia revela que ela morreu de causas naturais, muitos acreditam que um ato criminoso pode estar envolvido”, dizem.

Os documentaristas sugerem que o marido dela na época, o roteirista Simon Monjack, pode ter contribuído em sua morte. Ele morreu de causas semelhantes em 2010.

As autópsias de ambos revelaram que a atriz e seu parceiro morreram devido a uma combinação fatal de pneumonia, anemia e overdose de drogas.

"Dentro de cinco meses, Monjack aparece sob circunstâncias surpreendentemente semelhantes – na mesma cama que ele e Brittany dividiram uma vez, só que desta vez, supostamente com a mãe de Brittany dormindo ao lado dele. Em uma entrevista final exclusiva, o falecido Angelo Bertolotti – pai de Brittany – põe em dúvida a conclusão de que ela morreu de causas naturais e revela alegações bizarras contra outros membros da família”, revelam.

O pai de Brittany sempre acreditou que a mãe de sua filha e sua ex-esposa estava envolvidas nas duas mortes, algo que ela negou.

O documentário que já foi lançado nos Estados Unidos e ainda aguarda a estreia no Brasil discorrerá sobre as alegações e incógnitas do caso.

Compartilhar