Demi Lovato sabia exatamente o que estava comprando, diz traficante

Brandon Johnson afirmou que os dois já tinham usado drogas juntos em outras ocasiões e que também tiveram relações sexuais

O homem que vendeu as drogas para Demi Lovato na noite em que ela teve uma overdose afirmou que ela sabia "exatamente" o que estava comprando, de acordo com informações do site TMZ.

Brandon Johnson disse que levou as drogas após uma chamada da cantora e que eles fumaram juntos. Ele sugeriu ainda que os dois já tinham usado drogas juntos em outras ocasiões e que também tiveram relações sexuais. As fontes ligadas a Demi Lovato negaram essas informações.

Quanto à substância, Johnson declarou que a artista sabia que elas eram fortes, mas negou ter misturado com fentanil - o mesmo opioide que causou a morte de Prince.

Ele relatou que que saiu da casa da cantora por volta de 8h da manhã, e que Demi estava dormindo sem sinais de problemas. Um assistente encontrou a estrela pop por volta de 11h30 e chamou uma ambulância.

Demi Lovato está numa clínica de reabilitação.

Overdose

No dia 24, Demi foi internada em um hospital de Los Angeles, nos Estados Unidos, após sofrer uma overdose - a primeira informação do TMZ dizia que a droga era a heroína.

Fontes próximas à cantora contaram que ela estava numa festa em West Hollywood, e depois foi para casa. O traficante teria levado um papel alumínio com oxicodona. Pelas informações do site, e sem Demi saber, o lote também teria fentanil (outro opiáceo)

Demi Lovato foi encontrada inconsciente pelos paramédicos. Foi, então medicada com Narcan, usado em casos de overdoses com narcóticos. A cantora foi levada às pressas da casa onde mora, em Hollywood Hills, para um hospital na região.

Por conta do incidente, a artista cancelou a turnê de Tell Me You Love Me na América do Sul. Os shows estavam marcados para acontecer em seis cidades de Chile, Argentina e Brasil a partir de 14 de novembro.

Compartilhar