sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 - 08h59 / Atualizado em sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 - 09h09

Primeira candidata transgênero do Miss Universo se alegra em servir como exemplo

"Estou mostrando que as mulheres trans podem ser o que quiserem", afirma Angela Ponce, de 26 anos

Angela Ponce concorre à coroa com outros 93 candidatas Foto: Patrick Prather/Miss Universe

| entretenimento@band.com.br

Como muitas outras participantes do concurso Miss Universo, Angela Ponce cresceu assistindo ao espetáculo glamoroso na televisão e sonhando em um dia representar seu país. Neste ano, seu desejo se realizou, com ela entrando para a história como a primeira candidata transgênero nos 67 anos do evento.

"As mulheres trans vêm sendo perseguidas e apagadas há muito tempo. Estou mostrando que as mulheres trans podem ser o que quiserem", disse Angela, que foi eleita Miss Espanha no início deste ano.

"Tenho orgulho de ter a oportunidade de usar esta plataforma para uma mensagem de inclusão, tolerância e respeito pela comunidade LGBT+", afirmou durante entrevista em Bangkok, onde a final será realizada no dia 16 de dezembro, com transmissão ao vivo pela Band e pelo Portal da emissora a partir das 22h.

A Organização Miss Universo, responsável pelo concurso de beleza, acabou com uma proibição a candidatas transgênero em 2012.

A competição é transmitida em mais de 190 países, com público anual estimado em meio bilhão de espectadores.

Considerada por diversas casas de aposta como a favorita para conquistar a coroa, Angela é voluntária em uma organização espanhola sem fins lucrativos que trabalha com famílias e crianças que lidam com questões ligadas à identidade de gênero. Segundo ela, crianças transgênero muitas vezes enfrentam a depressão e pensamentos suicidas. "Nasci em um mundo, em uma sociedade que realmente não estava preparada para mim. Tive o apoio da minha família, mas mesmo assim sofri discriminação e não tinha modelos a seguir", admitiu.

"Tantas crianças sofrem discriminação por serem diferentes. É importante dizer a elas que elas têm direito de ser quem são, quem quiserem ser", declarou à Thomson Reuters Foundation por meio de um intérprete.

Angela Ponce, de 26 anos, disse que foi barrada de várias competições de moda por ser transgênero. "Quando fui eleita Miss Espanha fiquei muito empolgada", contou.

"Quando colocaram a coroa fechei os olhos para absorver aquilo, porque sabia que era um momento muito significativo".

Também é significativo que o concurso deste ano contará com uma comissão de seleção só de mulheres, informou uma porta-voz da Organização Miss Universo.