Voltei a me ligar à essência da comida, diz Daniel

Participante falou sobre a evolução dos seus pratos durante os desafios do MasterChef Profissionais

Para grande parte dos participantes do MasterChef Profissionais, o talent show é uma forma de se reencontrar com as suas raízes culinárias e isso tem acontecido com o sul-mato-grossense Daniel Barbosa. Por isso, ouvir um elogio do chef de cozinha convidado Benny Novak com uma das grandes conquistas no programa.

"Ser o último prato a ser avaliado é tortura e a parte mais torturante foi porque todo mundo foi muito elogiado. Então, eu já estava pensando que eu seria o único destaque negativo, que eu tinha entendido errado a prova. Então, foi uma ótima surpresa quando o chef falou que o prato mexeu com ele", disse em entrevista ao Portal da Band.

O participante preparou um caldo de frango gordo com ravióli de batata que deixou os jurados e o convidado admirados. "Eu não tinha nenhuma experiência com comida judaica, então tentei manter muito foco em ouvir o que o chef Benny estava dizendo. Eu percebi dois pontos muito fortes no que ele falou: a parte festiva [do Ano Novo judaico, o Rosh Hashaná] e também as dificuldades do país. E aquilo ficou na minha cabeça", explicou.

"A festa é legal, é bonita, mas o grande ponto é o que eles fizeram para sobreviver naquele ambiente tão difícil. Eu pensei muito nisso e, quando um país tem escassez, proteína é ouro. Então, gordura de proteína é ouro, mas comer carne é luxo. Por isso eu quis trabalhar com o que é guardado, a gordura, a pele, o gordo do animal e resolvi não usar proteína. Porque proteína é festa e eu montei um prato de sobrevivência", continuou.

"Acho que nos últimos anos da minha carreira, eu me liguei muito ao negócio que é a Gastronomia. Sempre escutei que um chef de cozinha não tem grana, não vive bem, não come bem. E eu não entrei nessa profissão para isso. Então, eu sempre fui muito ligado no comercial. O MasterChef Profissionais e essa prova para mim foi sensacional. É a prova que eu voltei a me ligar à essência da comida, o porquê da comida", afirmou.

"Não é só mais servir comida: é uma energia, uma história, um carisma. E eu vi que os chefs conseguiram reconhecer isso na minha comida. É uma prova que os todos os episódios, as últimas provas, me fizeram crescer e evoluir muito como profissional", finalizou.

Compartilhar

Ler a notÍcia completa

Deixe seu comentário