‘Farei pratos com a minha essência’, afirma Vitor

Cozinheiro conquistou vaga na final do MasterChef – A Revanche após duelo com Fernando Kawasaki

O curitibano Vitor Bourguignon conquistou a segunda vaga na final do MasterChef – A Revanche após vencer o paulista Fernando Kawasaki em um duelo eliminatório. Ambos tiveram de apresentar um verdadeiro banquete com carne de cordeiro, mas Vitor apostou em sabores mais clássicos que agradaram a Henrique Fogaça, Paola Carosella e Erick Jacquin.

"Quando eu vi o tema da prova, eu fiquei um pouco mais tranquilo. Sabia que eu e o Fernando teríamos certa facilidade com relação à proteína e os acompanhamentos. A grande dificuldade era enfrentar um ao outro e se sobressair com os pratos. Minha estratégia foi apostar nos sabores para entregar um banquete digno de ir para à final", disse em entrevista ao Portal da Band.

"Fui no clássico porque um banquete pede uma coisa mais clássica. Gratin de batata, legumes assados e cuscuz, que combina muito com o cordeiro. Quando os chefs estavam avaliando, eu percebi a disputava estava muito próxima e passaram muitas coisas na minha cabeça. Eu me imaginei subindo no mezanino, despedindo-me e conversando com a Ana Paula Padrão. Cada hora era uma sensação diferente", continuou.

"Fiquei muito nervoso, ansioso, mas deu tudo certo. A sensação de chegar à final é uma sensação mágica, algo que eu nunca passei na vida. Parece que eu ainda estou sonhando e daqui a pouco vou acordar, mas eu não quero acordar ainda. Quero ganhar. Preciso fazer o meu melhor nessa final porque sei que vai vir coisa boa do lado do Estefano [Zaquini]", completou.

Vitor disse que já está preparado para enfrentar o concorrente. "Tenho uma ideia do que irei cozinhar na final, mas preciso alinhar ainda alguns pontos. Com certeza, tem que ser comida boa. Minha estratégia será não viajar muito no menu, fazer pratos que representem a minha essência e quem eu sou para conseguir entregar bons resultados. Vou dar o meu melhor", finalizou.

A prova de serviço

Durante a entrevista, o curitibano revelou que achou que tinha conquistado os jurados já na primeira prova da noite. "Eu tinha certeza de que seria escolhido para ser o primeiro finalista. Achei que o meu trabalho estava bem feito. Faltou um pouquinho de água no meu ajo blanco e, se minha vieira estivesse um pouco mais fina, talvez eu teria me garantido. Foi realmente no detalhe", disse.

"[A escolha do Estefano] foi um baque na hora, uma bordoada na cabeça. Não assimilei muito bem, mas não pude ficar preocupado porque eu tinha outra batalha pela frente. Saber que eu tinha mais um duelo, dessa vez o mais importante e contra um grande competidor, deixou-me ao mesmo tempo nervoso, receoso, mas com muito gás para entregar o melhor prato possível", concluiu.

O grande vencedor do MasterChef – A Revanche vai levar R$ 250 mil do Banco do Brasil, um curso de técnicas tradicionais da culinária francesa no Le Cordon Bleu Rio de Janeiro, uma cozinha completa da nova linha Brastemp Gourmand, uma cozinha equipada com produtos da Tramontina e o cobiçado troféu da temporada. Ambos finalistas serão premiados com R$ 1 mil por mês, durante um ano, para fazer compras com o cartão Carrefour.

O MasterChef – A Revanche é um formato da Endemol Shine Group, produzido pela Endemol Shine Brasil em uma co-produção com a Band e o Discovery Home & Health. A final do programa será nesta terça-feira, 17, às 22h45, na tela da Band (com transmissão simultânea no aplicativo da emissora para dispositivos móveis). O anúncio do vencedor será feito ao vivo, pela apresentadora Ana Paula Padrão.

Compartilhar

Ler a notÍcia completa

Deixe seu comentário