Usar filtro solar inadequado prejudica a pele

Creme protetor impróprio provoca acne, manchas ou ressecamento

Com o aumento das temperaturas no Brasil, um problema se torna mais evidente na pele dos brasileiros: o uso inadequado de filtro solar. De acordo com a dermatologista Pietra Martini, da clínica Priméra, a maioria das pessoas só usa o fotoprotetor durante os meses do verão. Por sua vez, a OMS (Organização Mundial da Saúde) indica que o creme seja utilizado sempre que a radiação ultravioleta for maior que três – e esse índice costuma ocorrer até nos meses mais frios.

Além da falta de uso constante, os brasileiros costumam cometer outro erro na hora de aplicar o filtro solar. Segundo a especialista, 70% dos brasileiros com até 40 anos têm a pele oleosa e usar protetor que contém óleo pode obstruir os poros e provocar acne e manches durante exposição ao sol.

"O problema é potencializado pela proliferação de bactérias no ar e na pele durante o calor. Isso explica o agravamento da acne nesta época do ano", comenta Pietra. "Os cremes são indicados para crianças e pessoas que têm a pele seca. Adultos e jovens devem aplicar filtro solar em gel ou spray", pontua.

Como aplicar fotoprotetor

Outro engano relacionado ao uso de filtro solar é acreditar que, quanto maior o FSP (Fator de Proteção Solar), mais tempo a pele estará protegida do sol. "Independente desse número, o protetor perde a ação depois de duas horas. Por isso, é preciso reaplicá-lo nesse intervalo de tempo mesmo que a pessoa não tenha mergulhado na piscina ou no mar", afirma a dermatologista. Idealmente, a primeira aplicação deve ser feita 30 minutos antes da exposição ao sol.

De acordo com a especialista, a maioria dos brasileiros está bem protegida com produtos de FSP 30, capazes de bloquear 97,6% dos raios ultravioleta tipo B (UVB), relacionados ao câncer de pele. Já os produtos de FSP 50, bloqueiam 98% dessa radiação. Apesar dessa pequena diferença, quanto maior o FSP, mais caro o protetor solar. "É melhor utilizar uma camada espessa de filtro FSP 30 a cada duas horas do que economizar nas reaplicações e na quantidade aplicada", diz Pietra.

Sol: um aliado da saúde

Pesquisas recentes apontam que tomar banho de sol faz bem para os ossos, melhora a imunidade, evita o diabetes tipo 2, diminui a depressão e é capaz de regular a pressão arterial. Isso acontece porque a pele tem receptores que sintetizam a vitamina D quando exposta aos raios solares.

A vitamina D também é essencial na absorção do cálcio, no fortalecimento da imunidade, na produção de insulina, da endorfina (hormônio responsável pelo bem-estar) e da renina (hormônio que controla a pressão das artérias).

No entanto, a dermatologista ressalta que o banho de sol sem protetor solar deve ter duração máxima de 30 minutos dependendo do tipo de pele. E, para sintetizar a vitamina D, ele deve ser adotado duas vezes por semana. Confira abaixo qual a duração do seu banho de sol:

Pele muito branca, olhos claros, cabelo loiro ou ruivo: Quando se expõe ao sol, sempre se queima e nunca fica bronzeada. Tempo máximo de exposição é de 5 minutos.

Pele branca, olhos claros, cabelo castanho claro ou loiro: Quando se expõe ao sol, queima facilmente e bronzeia pouco. Tempo máximo de exposição é de 5 minutos.

Pele branca, cabelo e olhos castanhos: Quando se expõe ao sol, queima e depois se bronzeia. Tempo máximo de exposição é de 15 minutos.

Pele morena clara, cabelo e olhos castanhos: Quando se expõe ao sol, queima pouco e sempre bronzeia. Tempo máximo de exposição é de 20 minutos.

Pele morena, olhos e cabelo escuros: Quando se expõe ao sol, raramente se queima e sempre fica bronzeada. Tempo máximo de exposição é de 25 minutos.

Pele negra, olhos e cabelo escuros: Quando se expõe ao sol, nunca se queima e sempre fica bronzeada. Tempo máximo de exposição é de 30 minutos.

Compartilhar

Ler a notÍcia completa

Deixe seu comentário