band.com.br

Tamanho de fonte
Atualizado em terça-feira, 19 de abril de 2011 - 22h04

Consumo de bebida alcoólica pode trazer sérios riscos à saúde do bebê

"Se alguém oferecer bebida e você estiver grávida, apenas diga não"
Consumo de álcool durante a gravidez pode trazer consequências negativas ao bebê / Foto: Reprodução/Stock.Xchng Consumo de álcool durante a gravidez pode trazer consequências negativas ao bebê Foto: Reprodução/Stock.Xchng

O consumo de bebidas alcoólicas durante a gravidez pode desencadear sérios riscos à saúde do bebê.

Segundo o psiquiatra e especialista em dependência química, Arthur Guerra de Andrade, não há estudos que estipulem uma dose "certa" para o consumo. 

"Sempre digo que grávidas não devem, em hipótese alguma, beber. A abstinência é a única atitude segura para as gestantes. Consumir bebidas alcoólicas pode prejudicar o desenvolvimento fetal, causando problemas físicos e comportamentais que podem durar para o resto da sua vida", explica.

Em alguns caso, o álcool pode levar até a um aborto espontâneo ou fazer com que a criança nasça antes do previsto. "O dano causado é proporcional à quantidade de álcool ingerida pela gestante, à frequência e padrão deste consumo e ao estágio da gestação", ressalta o médico.

Tudo isso acontece porque a bebida atravessa a placenta, atingindo o feto diretamente. Para se ter uma ideia, cerca de uma hora após o consumo da bebida, os níveis das substâncias no sangue do feto já são equivalentes ao da mãe.

"Como o fígado do feto ainda não desenvolveu um sistema eficaz para metabolizá-lo, os potenciais danos são mais severos. A consequência mais grave e comum é a Síndrome Fetal Alcoólica (SFA). Estima-se que ela seja a maior causa evitável de retardo mental em crianças, sendo seu diagnóstico difícil devido à multiplicidade de aspectos clínicos e/ou comportamentais envolvidos. Outras doenças que promovem atraso no desenvolvimento neuropsicomotor da criança podem estar presentes ou se confundir com a SFA, o que dificulta ainda mais seu diagnóstico", afirma Arthur.

Ainda de acordo com ele, a criança que apresenta SFA pode ter baixo peso ao nascer, dificuldade para se alimentar e dormir, problemas de visão e audição e alterações faciais. "As alterações neurológicas mais comuns são hiperatividade, impulsividade, déficit de atenção, aprendizado e memória, dificuldade em seguir instruções e aprender a fazer coisas simples, e dificuldades em compreender as consequências dos seus atos".

Por conta da gravidade, o psiquiatra diz que é importante um trabalho preventivo para que as gestantes tenham ciência do mal que o álcool pode causar. "Se alguém oferecer bebida e você estiver grávida, apenas diga não. Não há problema nisso, pelo contrário, estará protegendo seu bebê", conclui.


Redatora: Tatiane Moreno

Cadastrando-se em nossa newsletter, você receberá diariamente em seu e-mail as últimas Notícias de Entretenimento do Band.com.br
Aceito receber e-mails da Band e parceiros