sábado, 19 de agosto de 2017 - 20h22 / Atualizado em domingo, 20 de agosto de 2017 - 00h46

Não me reconhecia como negra, diz Miss Piauí

Monalysa Alcântara fala sobre preconceito e como passou a se aceitar após a adolescência

Monalysa tem 18 anos e está na disputa pela coroa Foto: Maristela Colucci

| entretenimento@band.com.br

Candidata do Piauí, Monalysa Alcântara venceu o Miss Brasil 2017 neste sábado*. Monalysa tem uma história de luta e superação.

Aos 5 anos, ela perdeu o pai em um acidente de carro e viu sua vida mudar completamente. “Venho de uma família bem humilde, mas meu pai conseguiu conquistar as coisas com estudo e muito trabalho. Quando ele morreu eu perdi toda a minha referência e minha vida mudou completamente. Perdemos nossa casa, tive de sair da escolar particular e ir para uma pública, passei a morar na casa da minha vó com mais sete pessoas e dividia a cama com um monte de gente. A gente falava que era a casa dos desabrigados”, recordou.

Filha de uma mãe loira, de cabelos lisos, ela não admitia o tom da sua pele. “Quando somos novas, sentimos necessidade de ter um espelho e eu não tinha porque minha mãe era diferente de mim fisicamente. Não me achava bonita, não me reconhecia como negra. Eu dizia que era morena, parda, qualquer coisa, menos negra, que é aquilo que eu realmente sou”, disse.

Mas, na adolescência, as coisas começaram a mudar. “Surgiu uma força dentro de mim de não querer me enquadrar naquilo que eu não era. Só que você não amanhece se amando, é um processo. Você começa a se aceitar, a se permitir e vai se aceitando aos poucos. Uma das primeiras coisas que fiz foi deixar meu cabelo natural. Só que primeiro eu mudei muito por dentro para depois mudar por fora. Hoje eu acredito tanto na minha beleza que eu posso ter o cabelo crespo, liso, posso não ter cabelo que eu vou continuar me achando bonita, porque eu aprendi a me aceitar do jeito que eu sou”, finalizou.

*Atualizado 0h30, após o anúncio do resultado.