Não foi um jogo honesto, reclama Aderlize dos colegas

Cozinheira acredita que acabou prejudicada pelos participantes que estavam no mezanino

Uma deliciosa torta de frutas, a tarte aux fruits, determinou a eliminação de Aderlize Martins do MasterChef nesta terça-feira, dia 27. A gaúcha ficou irritada com o apoio dos colegas do mezanino para Valter Herzmann, que disputava com ela e Leonardo Santos a permanência no talent show culinário.

“Fui eliminada porque hoje não foi um jogo honesto. Eu sempre pensei que o fato de eu saber confeitaria pudesse ser um ponto a mais em relação aos outros, mas eu vi que não, o mezanino ajudou, só não desceu para fazer a receita, disse cada passo a passo de como se faria. Isso é desonesto, não foi legal. Eu muitas vezes estive no mezanino, são 17 episódios, só dois deles eu fui para a eliminação, ou seja, eu passei muito tempo no mezanino. Eu nunca falei: ‘Faz assim, agora faz isso, agora finaliza, agora faz não sei o quê... porque eu não acho legal com os outros competidores”, reclamou em entrevista ao Portal da Band.

“Me prejudicou, me prejudicou absurdamente, eu tenho certeza que não teria sido eliminada se não tivesse acontecido isso, mas é normal que os competidores queiram eliminar quem eles consideram mais fortes”, continuou.

A empresária ainda contou que não faria mudanças se tivesse uma nova oportunidade: “Acho que sou uma boa cozinheira, fiz tudo de acordo com o que aprendi nos livros, com o que aprendi com a minha experiência de cozinha, minha vivência, que são mais de 10 anos. De manhã, de tarde, de noite, faço todas as minhas refeições, não teria feito nada diferente”.

Fora da competição, Aderlize escolheu alguém que acredita ter os mesmo valores que os seus para torcer. “A única pessoa que vejo que tem essa mesma coisa da cozinha no sangue, na alma, que de fato vai fazer alguma coisa se ganhar o Masterchef é o Leonardo, torço para ele, é o único. As outras pessoas eu não sinto isso, podem trabalhar na área e tudo mais, mas ninguém tem essa coisa que a cozinha tá no sangue mesmo”, contou.

Antes do programa, ela dividia o seu tempo entre administrar a própria marca de joias contemporâneas e sua paixão pela cozinha. Porém, os meses na cozinha mais famosa do Brasil permitiram dedicação exclusiva. “A parte mais legal é que eu fiz só isso, pude estudar, testar vários pratos que eu queria fazer há muito tempo, foi maravilhoso”, analisou.

E como será a vida de Aderlize daqui para frente? A cozinheira afirmou que ainda espera ver a repercussão da sua participação. “Para migrar totalmente para a gastronomia, precisava ter ganhado esse prêmio, não sou herdeira, não venho de uma família que tenha posses, tenho que trabalhar e me sustentar. Seria importantíssimo ter ganhado o prêmio para poder viver de gastronomia”, afirmou.

Compartilhar

Ler a notÍcia completa

Deixe seu comentário