Meu corpo está pedindo para eu parar, lamenta Kauane

A guerreira teve que deixar o Exathlon Brasil

Repouso absoluto: essa é a recomendação da equipe médica do Exathlon Brasil para Kauane Ribeiro após ela lesionar gravemente o joelho. Por isso, a professora de Taekwondo e Circo deixou o reality show mais difícil da competição nesta terça-feira, dia 14.

"Eu saí porque estou com uma lesão grave no joelho. Vou respeitar o meu corpo, porque ele está pedindo para eu parar. E, por indicações médicas, vou ter que ficar afastada um mês em repouso. Então, a produção e eu em conjunto decidimos que não vou mais jogar", disse em entrevista ao Portal da Band.

Segundo Kauane, o melhor da experiência no Exathlon Brasil foi rever alguns conceitos. "Eu estou muito feliz e não tenho como agradecer por ter passado por essa fase. Com certeza, saio uma pessoa muito melhor, com novos princípios e dando valor as coisas mais simples da vida. Eu sinto que agora eu posso viver muito mais simples. As coisas fúteis perderam total sentido", afirmou.

"Você acorda e não sabe para onde vai; você coloca um tênis molhado, que nunca mais seca; coloca um short sujo, porque você só tem duas trocas de roupa; você sobe num ônibus com um monte de gente diferente, que no fim ficou tudo homogêneo; você pega a estrada e vê o sorriso de cada criança da República Dominicana, que são fantásticas, lindas. Tudo isso não tem valor", completou.

A professora de Taekwondo e Circo revelou ter ficado surpresa ao ser salva de À Deriva. "Eu fiquei espantada achando que dessa vez eu iria sair. Quando o Lacombe falou que era a Juliana [Findikoglu], eu fiquei em estado de choque, até porque ela era uma das pessoas que eu tinha muita afinidade. Eu não sei por que me salvaram, até porque meu desenvolvimento no jogo não era lá essas coisas", disse.

"Deve ter batido alguma identificação. Porque eu sou para frente, sou uma pessoa alegre e a galera lá me considerava uma companhia boa. Se identificaram com as bobagens, as minhas palhaçadas, o meu jeito de ser. Eu sempre fui Kauane, nunca preguei nenhum personagem", explicou ainda.

Questionada porque não teria tido um bom desempenho no jogo, a gaúcha comentou que nunca teve uma aproximação do Parkour. "Minha relação era Circo, força e equilíbrio. Tanto que nas provas que tinha isso, eu conseguia ter uma boa evolução. Mas eu me autodescobri, porque eu achei que de repente eu poderia ir muito mais para frente, ser melhor. Não fui. Conforme a competição foi amadurecendo, eu estava treinando, estava me esforçando. Quando eu não ganhava, eu chegava e treinava com o Jorge [Goston] na praia. Ele indicava treinos para eu melhorar. Enfim, estava sendo uma constante evolução", garantiu.

Kauane ainda disse que o maior desafio do reality show mais difícil da televisão foi a falta de contado com os familiares. "O grande desafio foi viver longe da família, sem ter contato com ninguém, sem ter contado com o mundo lá fora. Sem saber que horas são, você identificar as horas mais ou menos pelo sol. Você não ter alimentação regrada, você tem zero higiene. Você não tem sabonete. Quando você vai para o Quintal, você tem que tomar banho de mar e esperar secar com o sol, porque você não tem uma toalha. Isso com certeza são as maiores dificuldades", contou.

A professora também revelou que adorava vencer a campeã olímpica Maurren Maggi. "Além de ela ser uma forte competidora, depois que ela voltou [da lesão], ela se revelou mais maravilhosa ainda. A Maurren tinha aquele negócio de implicar conosco, de ficar cutucando. Cada vez que a gente ganhava dela, todo mundo ficada em conjunto vibrando. Então, a vitória em cima dela tinha um gostinho maior", confessou.

"As cutucadas da Maurren se transformavam em força para nós. Quanto mais ela nos cutucava, mais a gente ia atrás, mais a gente tentava ganhar. Quando tínhamos uma vitória geral, era quase para ela de vez em quando. Porque ela ficava o tempo todo buscando o que a gente estava fazendo", continuou.

Em repouso absoluto pelas próximas semanas, Kauane disse que irá assistir ao Exathlon Brasil e revelou sua torcida. "Uma pessoa que se sobressai aos demais é a Nina [Monteiro]. Com certeza, minha torcida ficará para ela até porque, no final, estávamos as duas juntas lesionadas. Eu acordava todo o dia com ela em cima de mim, fazendo montinho. Ela é a irmã pentelha que fica incomodando o tempo inteiro. Então, eu vou sentir falta dela e a minha torcida fica para ela", finalizou.

Compartilhar

Ler a notÍcia completa

Deixe seu comentário