Estou c... para o Crivella, diz carnavalesco da Mangueira

Leandro Vieira diz que escola está alinhada com o pensamento da rua

Uma das alegorias da Mangueira trazia um boneco de Judas - como os feitos para serem "malhados" no Sábado de Aleluia - com o rosto de Marcelo Crivella, com uma plaquinha onde se lia "pega no ganzá", trecho do clássico samba do Salgueiro cantado pelo prefeito na campanha de 2016.

A brincadeira foi, ao lado do Temer "vampiro" da Paraíso do Tuiuti, um dos assuntos mais comentados após os desfiles. E quem não está muito preocupado com as possíveis reações de Crivella é o carnavalesco da escola, Leandro Vieira.

"Eu estou cagando para o que o Crivella pensa. Sou primeiro um folião, em segundo, um artista. A matéria do meu trabalho é o Carnaval, e meu discurso é alinhando com a rua. O que passou aqui ontem (domingo), como proposta artística da Mangueira, é o discurso alinhando com o pensamento da rua, com Carnaval da rua, com a brincadeira, a galhofa, a farra", declarou Vieira.

carnavalesco mangueira  Leandro VieiraPortal da Band

O carnavalesco exalta os enredos políticos do ano, incluindo Beija-Flor e Tuiuti, e diz que aprova - como artista e cidadão.

"Acho que as escolas que apresentaram enredos mais satíricos e críticos estão alinhados com a atual situação do Brasil e da cidade. Eu, como cidadão, acho ótimo. Como artista, acho bacana por ser uma possibilidade de reinvenção de linguagem e visual", disse.

"Tem muito tempo que os desfiles das escolas perderam um pouco essa narrativa crítica. A estética dessa narrativa também se perdeu", explicou Vieira, que ressalta a coragem das agremiações de fazerem críticas diretas, sem esconder o alvo.

"O bonito também que foram dados nomes. É o Crivella, é o Temer. E não aquela coisa boboca, como 'estou falando mas não digo quem é'", afirmou.

Compartilhar

Ler a notÍcia completa

Deixe seu comentário